Jogadores criticam Copa do Mundo a cada dois anos

Publicado em Categorias Futebol internacional

O FifPro, sindicato mundial dos jogadores de futebol, criticou a ideia da Fifa de transformar a Copa do Mundo em um torneio que será disputado a cada dois anos, ao contrário do modelo vigente, que é quadrienal, como ainda segue na Copa do Mundo 2022 no Catar . A entidade foi na contramão da proposta e pediu reformas no calendário internacional do futebol para atender à necessidade de redução da carga de trabalho dos jogadores.

“As propostas que consideram expansões adicionais, como uma Copa do Mundo bienal — bem como outras reformas de competição em discussão — são inadequadas na ausência de soluções para os problemas existentes”, disse a FifPro em nota. “Sem a concordância dos jogadores, que dão vida a todas as competições em campo, essas reformas não terão a legitimidade necessária. O debate atual, mais uma vez, segue um processo e uma abordagem falhos”, completou a entidade no comunicado.

Copas do Mundo masculina e feminina a cada 2 anos

A Fifa tem como proposta realizar as Copas do Mundo masculina e feminina de forma bienal, fazendo com que os anos ímpares fossem intercalados pelas competições continentais. Por trás dessa proposta está o desejo da entidade máxima do futebol de devolver o protagonismo às seleções, que cada vez mais vêm perdendo espaço.

Essa ideia trouxe reações distintas das confederações continentais. A Uefa, órgão máximo do futebol europeu, rechaçou a ideia. Segundo seu presidente, Aleksander Ceferin, os países do “velho mundo” poderão boicotar o evento. A Conmebol, que rege o futebol na América do Sul, seguiu o mesmo tom, afirmando que tal proposta é “inviável”.

Porém, a AFC (Confederação Asiática de Futebol), afirmou que o estudo feito pela Fifa é bem-vindo, enquanto a Concacaf (Confederação das Associações de Futebol da América do Norte, Central e do Caribe) afirmou que um novo calendário do futebol de seleções poderá trazer melhorias ao esporte. Já o presidente da CAF (Confederação Africana de Futebol), Patrice Motsepe, pediu “mente aberta” para o debate.

Mais informações: