Brasil x Argentina revivem na final da Copa América 2021 um passado que foi de amizade à rivalidade

Publicado em Categorias Copa América 2021 noticias

Quando falamos de um confronto entre Brasil x Argentina, como o que decidirá a Copa América 2021 neste sábado (10), a partir das 21h, no Maracanã, logo vem à mente um duelo que vai além dos gramados. A memória logo evoca uma rivalidade intensa entre países vizinhos, com partidas acirradas ao longo da história. Pois bem, de fato essa narrativa não é das mais erradas se olharmos pelo prisma atual. Mas, você sabia que os dois lados da fronteira foram aliados políticos antes de terem esse ânimo exaltado entre as partes quando a bola rolou?

É isso mesmo. Na verdade, lá no início, em meados do Século XVII, houve um certo atrito entre as partes, mais precisamente em 1680, com a fundação da Colônia do Santíssimo Sacramento. Porém, os dois territórios sequer eram independentes, ainda tendo suas decisões geopolíticas baseadas nas Coroas Portuguesa e Espanhola.

No máximo, havia um embate comercial, às vezes territorial. O clima só “esquentou” dois séculos depois, durante a “Guerra da Cisplatina” (1825-1828), quando o Brasil queria avançar seus territórios pelo Rio da Prata, mas foi impedido pelo esforço entre Argentinos e Uruguaios (até então um “estado tampão”). A etimologia da palavra rivalidade, inclusive, vem daí: dois lados na disputa por um rio.

Porém, os ânimos se acalmaram, e eles uniram forças na Guerra do Paraguai (1864-1870), unindo forças sob patrocínio da Coroa Britânica para atacar os guaranis. Com o passar do tempo, ainda que tivessem alguns desencontros comerciais e uma certa disputa pela liderança da América do Sul, os dois lados tinham um certo respeito mútuo, sabendo que precisavam unir forças para crescerem, como destaca Fernando Devoto e Boris Fausto em “Brasil e Argentina: um ensaio de história comparada (1850-2002)”.

A Copa Roca

Esse sentimento permaneceu até o Século XX e foi levado até mesmo para o futebol. Prova disso se deu no primeiro encontro entre as duas nações quando o assunto era o esporte bretão. Em 1913, após assistir à apresentação do extinto Sport Club Americano na Argentina, o ex-presidente e então ministro de Relações Exteriores do país platino, General Julio Roca, sonhou com um embate entre os representantes das duas nações. Ele queria estreitar o vínculo entre as nações. Para tal, até comprou um troféu, que ficaria com aquele que vencesse o encontro. Nascia a Copa Roca.

A primeira edição foi disputada no ano seguinte, mais especificamente em setembro. Ficou acertado que o duelo seria disputado no dia 20 daquele mês, mas o navio que levava o Brasil para Buenos Aires teve problemas na viagem, chegando justamente na data. Cansado, o escrete tupiniquim pediu o adiamento do confronto em uma semana, que foi aceito, ainda que de forma contrariada, desde que houvesse um amistoso na data original. Sem “pernas”, os brasileiros foram facilmente derrotados por 3-0. Porém, no jogo seguinte, este valendo caneco, a resposta veio. Com gol de Rubens Salles, o Brasil conquistou a primeira taça de sua rica sala de troféus.

Intolerância acirra o clássico

Porém, com o tempo, a rivalidade entre os lados foi se aflorando. A disputa em campo não era mais o bastante. Esse clássico, que chegou a ter o respeito mútuo ditando sua tônica, ganhou a homofobia e o racismo como tristes ingredientes.

O início disso podemos datar em 1920, quando, às vésperas de um amistoso, o jornal argentino “Crítica” publicou uma charge em que tratava os brasileiros como macacos. Essa “piada” fez com que jogadores negros recusassem-se a pisar no gramado, o que obrigou a partida ser disputada com sete jogadores de cada lado.

Esse racismo voltou a ser presente na Copa do Mundo de 1978, sediada na Argentina, quando, das arquibancadas, era possível ver os platinos comemorando a vaga para a final, quando deixaram o Brasil para trás. Entre os cânticos entoados estava: “Todos saben que Brasil está de luto. Son todos negros, son todos putos”.

Porém, o episódio mais marcante veio em 1996, quando a Argentina estava classificada para a final dos Jogos Olímpicos de Atlanta e aguardava o vencedor do confronto entre Brasil e Nigéria. O tradicional jornal “Olé” estampou em sua capa a chamada “Que Vengam los Macacos”.

Mas essa é uma via de mão dupla. Os brasileiros apelaram até mesmo para propagandas, como a da cerveja Skol, na qual uma lata da bebida aberta chama de “maricón” um torcedor argentino. O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) proibiu a propaganda.

Resta saber se no sábado a rivalidade ficará só na bola, evocando o respeito mútuo do passado, ou se teremos tristes episódios, como os recentes.

Veja mais informações da Copa América: