Anistia Internacional pede à FIFA que pare com os abusos no Catar

Publicado em Categorias Copa do Mundo 2022 noticias

A Copa do Mundo 2022 do Catar continua sendo o centro da polêmica em seus preparativos. A entidade “Anistia Internacional” exigiu que a FIFA pressione as autoridades do país-sede para melhorar as condições de trabalho dos funcionários envolvidos na construção dos estádios e demais espaços do evento.

Mortes e más condições de trabalho

A construção dos estádios e locais para a Copa do Mundo de 2022 no Catar foi atormentada por queixas sobre abusos de trabalhadores, a maioria deles imigrantes, que trabalharam em condições muito desfavoráveis, não receberam os pagamentos em dia e a falta de segurança já resultou em mais de 6.500 mortes.

A Anistia Internacional pediu em uma carta ao presidente da FIFA, Gianni Infantino, que “assuma suas responsabilidades de prevenir, mitigar e remediar” os abusos e violações dos direitos humanos relatados desde que o Catar foi designado para sediar o evento em 2010.

“O Catar fez uma série de reformas positivas nos últimos anos, em parte em resposta ao maior escrutínio após ter sido designado para a Copa do Mundo, mas muitas vezes essas reformas não são implementadas adequadamente e milhares de trabalhadores migrantes continuam a ser explorados e abusados ​​”, disse a declaração da Anistia Internacional.

Um lembrete sobre o valor dos imigrantes

No comunicado da Anistia Internacional, o chefe da Economia e Justiça Social, Steve Cockburn, participou a título pessoal, lembrando a importância dos trabalhadores e da sua defesa.

“(…) esta Copa do Mundo não seria possível sem os trabalhadores imigrantes, que representam 95% da força de trabalho do Catar. De estádios a estradas, boas-vindas e segurança (…)”.

Cockburn acredita que a FIFA tem a responsabilidade de atuar diretamente na questão para limitar esses abusos aos direitos humanos, já que é a entidade que organiza a Copa do Mundo de 2022.

O tempo está se esgotando para agir

A publicação desta carta e comunicação da Anistia Internacional ao Infantino foi feita em paralelo com as eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 a serem realizadas esta semana. Eles lembram à FIFA que o tempo está se esgotando e sua ação oportuna evitará que o evento seja comprometido.

Organizações de direitos humanos e a mídia denunciaram a situação precária dos trabalhadores desde o início. O jornal The Guardian observou em um relatório que uma média de 12 trabalhadores migrantes do Sul da Ásia (Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka) morreram a cada semana desde dezembro de 2010.

Mais informação: