Guardiola reclama com a FIFA e UEFA pelo calendário apertado de jogos

Publicado em Categorias Futebol internacional

Pep Guardiola, o treinador do Manchester City, reclamou à FIFA e à UEFA pelo cansaço gerado pelos calendários de eventos esportivos na Europa.

Muitos compromissos em pouco tempo

Antes do jogo entre Manchester City e Borussia Dortmund no âmbito da Champions League, Guardiola queixou-se do quão apertados os calendários têm sido, não só para as equipes mas também para os jogadores que também têm outros compromissos.

Lembremos que devido à pandemia do COVID-19, quase todos os eventos esportivos em todo o mundo tiveram que ser adiados, de modo que agora times, ligas, confederações e seleções estão jogando com datas sempre sujeitas a alterações. Isso também causou fortes modificações nos calendários esportivos e a falta de descanso começa a se fazer sentir nas equipes. Por exemplo, devido à ausência de uma data da FIFA, os clubes tiveram dias de descanso, porém os jogadores tiveram que jogar com suas seleções nas Eliminatórias da Europa para a Copa do Mundo de 2022 do Catar.

“Sei que alguns jogadores estão tristes porque sempre querem jogar, mas isso não é possível nestas condições. Para ser bom e competitivo em todas as competições que enfrentamos, você tem que fazer rodízio. Se não o fizer, não pode competir e, no nosso caso, não estaríamos na posição em que estamos”, disse Pep Guardiola.

Manchester City na reta final

A situação para os jogadores do City é favorável do ponto de vista dos resultados: lideram a Premier League, estão nas quartas de final da Champions League, na final da Copa da Inglaterra e na semifinal da FA Cup. No total são quatro competições em que o City dá o seu melhor, mas os jogadores têm mais compromissos e precisam descansar.

“Sei que alguns jogadores estão tristes porque sempre querem jogar, mas isso não é possível nestas condições. Para ser bom e competitivo em todas as competições que enfrentamos, você tem que fazer rodízio. Se não o fizer, não pode competir e, no nosso caso, não estaríamos na posição em que estamos”, assegurou o técnico.

Pode lhe interessar: