A UEFA ainda não determinou sanções para as equipes da Superliga

Publicado em Categorias Eurocopa 2021 noticias

Ainda não há sanções para as equipes da UEFA que aderiram à Superliga, que ainda não foi concretizada, embora a ideia não tenha sido totalmente descartada. A organização teve uma reunião recentemente, mas ainda não se decidiu sobre o que acontecerá com as “equipes fundadoras”.

Que tipo de consequências as equipes enfrentarão?

Inicialmente, a UEFA disse que iria bloquear das competições europeias e as da FIFA (como a Copa do Mundo 2022) as equipes e jogadores que participarem na Superliga. Embora o projeto esteja suspenso, a UEFA poderá aplicar sanções (que ainda não foram determinadas), mas garante que acontecerão.

A instituição europeia emitiu um comunicado onde afirma que “o Comité Executivo recebeu informação atualizada sobre os últimos acontecimentos relacionados com a chamada Superliga, incluindo as opções à disposição da UEFA e os passos que está a considerar dar”.

A última reunião do comitê – a segunda em cinco dias -, focou mais nas decisões sobre mudanças nas sedes da Eurocopa 2021, torneio que até agora ainda se mantém. Resta saber se os jogadores que se juntarem à Superliga poderão participar no campeonato, especialmente as estrelas da Euro 2021, que também participam nas seleções de elite que fundaram esta competição fora da UEFA.

“Temos de discutir quaisquer consequências adicionais”, declarou o Vice-Presidente da UEFA, Karl-Erik Nilsson. Também: “Em qualquer caso haverá consequências, sobretudo em matéria de confiança e de credibilidade no futuro”.

Restam apenas duas equipes

Real Madrid e Barcelona FC são as únicas equipes fundadoras que ainda restam na Superliga. Seis times ingleses, três times italianos e o Atlético de Madrid já renunciaram. No dia 28 de abril, o Real Madrid deve enfrentar o Chelsea na semifinal da Champions League, por isso aguardamos notícias sobre sua participação.

“A participação nas competições da UEFA é voluntária. Vamos ver se o Real Madrid e o Barcelona assinam este documento para a próxima temporada com as condições estabelecidas pelo organizador das competições”, disse Javier Tebas, Presidente da LaLiga.